São Paulo terá mais 173 km de ciclovias até 2020

Serão 173,35 km de novas estruturas cicloviárias (ciclofaixas e ciclovias), priorizando a conexão dos trechos de estrutura que estão isolados da malha principal. Outros 310,6 km já existentes passarão por “requalificação”, a tão esperada manutenção, incluindo adequações para o novo modelo adotado nessa gestão.

“O investimento será de R$ 325 milhões no total”, explica o Secretário de Mobilidade e Transportes da cidade, Edson Caram (veja em vídeo nesta página, no final da matéria).

A definição final dessas conexões ocorrerá em audiências públicas nos próximos meses. A participação dos ciclistas é MUITO importante. Nós temos que participar desse processo, para não deixar que apenas a opinião contrária às estruturas seja exposta nas audiências. Vamos avisar por aqui quando elas forem acontecer.

Requalificação das ciclovias existentes

A manutenção nas ciclovias já começou. Uma das estruturas que passou recentemente por requalificação foi a do Viaduto do Chá, em frente à Prefeitura, com correção do pavimento, pintura no novo padrão e recolocação dos tachões, com menos espaço entre eles.

O padrão que será adotado tanto para as novas ciclovias quanto para a requalificação das existentes é o que já pode ser visto em locais que passaram por recapeamento, dentro do programa Asfalto Novo. Em vez de pintar totalmente de vermelho, apenas uma faixa branca e uma vermelha na lateral; o pavimento só será pintado totalmente de vermelho em trechos próximos a cruzamentos e esquinas; não haverá mais balizadores; os tachões serão instalados com uma distância menor entre eles, para desincentivar a invasão por carros e motos, com a possibilidade de tachões maiores em alguns locais.

Pedestres e transporte público

Também estão contemplados no programa de metas os pedestres, o transporte público e a redução de mortes no trânsito. Para os pedestres, a promessa é de “construir e recuperar 1.500.000 m² de calçadas”, por enquanto sem maior detalhamento de como isso será operacionalizado.

Questionamos o secretário sobre as medidas que serão adotadas para reduzir as mortes no trânsito e ele nos informou que elas serão anunciadas pelo prefeito, em coletiva no dia 17 de abril.

Houve questionamento dos jornalistas presentes sobre a meta de novos corredores de ônibus, que caiu de 72 km para apenas 9. Covas respondeu que, em razão da reforma da Previdência não ter sido aprovada na gestão Temer, foi necessário ajustar o programa de metas à “frustração do comportamento do PIB em 2017 e 2018 em relação ao que se projetava”.

“Se previa muito recurso, em especial transferência de recurso do Ministério das Cidades para poder ampliar a quantidade de corredores. Não se realizou. E o nosso foco nessa gestão é botar pra funcionar o que existe”, justificou o prefeito.

Fonte: Vá de Bike

Artigos Relacionados
São paulo promete ciclovias até 2020
São Paulo terá mais 173 km de ciclovias até 2020
Governo quer impor lei para patinete e bicicleta elétrica
Governo quer obrigar capacete e prova no DETRAN para bikes e patinetes elétricos no RJ
Empresas catarinenses se destacam entre as fabricantes de bicicletas do país